terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Cadência de Engano ou Deceptiva


                 Este tipo de cadência tem, por característica essencial, o NÃO atingimento da Tônica ( I ). A Dominante ( V ) atinge a Tônica Relativa ( VIm ). 






O Amanhã Colorido

Tom:  D
             D              G          D
Olha a luz que brilha de manhã
               A              Bm ( V – VIm )
Saiba quanto tempo estive aqui
           B             E
Esperando pra te ver sorrir
 A
Pra poder seguir
  D              G              D
Lembre que hoje vai ter pôr-do-sol
                A            Bm
Esqueça o que falei sobre sair
              B          E
Corra muito além da escuridão
    A
E corra, corra...




quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Cadência Suspensiva

      A cadência Suspensiva se caracteriza por "criar tensão e não relaxar." Em outras palavras, é uma cadência incompleta pois não atingimos a Tônica ou outro ponto de repouso.




Neste exemplo, a cadência suspensiva esta no fim da música.


 Eu Nunca Disse Adeus

G       Am7
  Agora,   pra sempre,
C                    D9(11)            G
  Foi embora mas eu nunca disse adeus
      Am7
Agora,   pra sempre,
C                    D9(11) ( IV – V )
  Foi embora mas eu nunca disse...





quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Cadência Plagal

     A cadência Plagal, assim como a Perfeita, é uma cadência conclusiva. Nesse caso, atingimos a Tônica através do IV grau, a subdominante, ou do IIm subdominante relativa.





Será

Tom:  C
          intro: C G Am F (2x)

C          G         Am 
Tire suas mãos de mim, 
           F         C  ( IV - I )
Eu não pertenço a você 
              G          Am 
Não é me dominando assim 
          F              C 
Que você vai me entender 
                  G    Am 
Eu posso estar sozinho 
                   F 
Mas, eu sei muito bem 
            C
Aonde estou  





Guri

Tom:  D
          Introdução: D A7 Bm A7 D

                      A7                     D
Das roupas velhas do pai queria que a mãe fizesse
               A7         G    A7       D
Uma mala de garupa e uma bombacha e me desse
                      A7                        D
Queria boinas e alpargatas e um cachorro companheiro
                          A7          G   A7    D
Pra me ajudar a botar as vacas no meu petiço sogueiro
                    A7 G               D
Hei de ter uma tabuada e o meu livro queres ler
                   A7      G                D  ( V7 - IV - I )
Vou aprender a fazer contas e algum bilhete escrever
                     A7          G               D
Pra que a filha do seu Bento saiba que ela é meu bem querer
                     A7            G    A7      D
E se não for por escrito eu não me animo a dizer   (2x)





sábado, 17 de dezembro de 2011

Cadência Perfeita


         É a cadência com maior força de atração. Ela é constituída pela seguinte progressão harmônica: V  -  I
         
        Se for antecedida pelo grau IV ou IIm, a cadência recebe o nome de autêntica. 
Ex: IV  -  V  -  I    ou    IIm   -   V   -   I

Obs: Se o grau V vier com uma sétima adicionada ( V7 ) a cadência terá mais "força". 

Ex:  G7  -  C  
        V7      I


Exemplos Práticos: 




 Piano Bar


Tom:  E
  E             B                   G#
  O que você me pede e eu não posso fazer
    C#m          E                A
  Assim você me perde,e eu perco você
          G#m           C#m
  Como um barco perde o rumo
           F#m         B             E (cadência IIm - V - I ) 
  Como uma árvore no outono perde a cor





Batendo água
    
Tom:  G

Intro: G D7 Am D7 G Am D7 G
     G
Meu poncho "emponcha" lonjuras batendo água
    Am7                                D7
E as águas que eu trago nele eram pra mim

Asas de noite em meus ombros sobrando casa
 C                    D7               G = IV - V7 - I
Longe "das casa" ombreada a barro e capim 






Cadências Harmônicas


         Cadência Harmônica é uma seqüência de acordes com finalidade conclusiva ou suspensiva.

 Ok, não fui claro....

         ...então! A Música é organizada em combinações de acordes (tonalidade) que se “movimentam” criando sensações de tensão e repouso. Isto acontece porque temos, em uma tonalidade, basicamente, acordes que criam um maior nível de tensão, acordes que nos dão a sensação de conclusão (repouso).

         Para estudarmos as cadências, vamos utilizar os algarismos romanos.

Obs: os acordes Maiores podem ser representados por letras maiúsculas e os menores, por letras minúsculas.

Ok, uma escala:

C  Dm   Em    F     G    Am    Bm5º
 I  IIm    IIIm     IV     V    VIm   VIIº   

Funções destes graus:

I = Tônica (repouso)
IIm = subdominante relativa  
IIIm = dominante relativa
IV = Subdominante
V = Dominante ( ponto de maior tensão)
VIm = Tônica relativa
VIIº = Sensível

Então tá, vamos às cadências!

Cadências: 



quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Intervalos: Melódicos x Harmônicos. Qual é a diferença?

     Ok, vamos esclarecer a diferença entre intervalos melódicos e harmônicos.
 
     Intervalo melódico é a distância, em tons ou semitons, entre notas consecutivas, ou seja, ocorrem uma após a outra.




     Intervalo harmônico é a distância, em tons ou semitons, entre notas simultâneas, ou seja, ocorrem ao mesmo tempo.




  Intervalos entre notas em Dó maior: C, D, E, F, G, A, B, C.

      de C para o mesmo C = uníssono
     de C para D = 2ª maior
     de C para E = 3ª maior (terça maior)
     de C para F = 4ª justa
     de C para G = 5ª justa
     de C para A = 6ª maior
     de C para B = 7ª maior
     de C para um C diferente = 8ª justa

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Como formar uma Escala Maior

Para formar uma escala maior devemos manter a seguinte distância entre as notas:

  • Entre a nota 1 e a nota 2 = 1 tom
  • Entre a nota 2 e a nota 3 = 1 tom 
  • Entre a nota 3 e a nota 4 = 1/2 tom
  • Entre a nota 4 e a nota 5 = 1 tom
  • Entre a nota 5 e a nota 6 = 1 tom
  • Entre a nota 6 e a nota 7 = 1 tom
  • entre a nota 7 e a nota 8 = 1/2 tom
ou seja: Tônica + 1t + 1t + 1/2t + 1t + 1t + 1t + 1/2t


Exemplos:


C, D, E, F, G, A, B, C


D, E, F#, G, A, B, C#, D


E, F#, G#, A, B, C#, D#, E


Obs: A primeira nota dá nome à escala. Exemplos citados acima: Dó Maior, Ré Maior e Mi Maior.

Como formar Acordes em uma Tonalidade (sem stress)



Para formarmos acordes, que pertencem à mesma tonalidade, basta conhecermos a sua escala. Exemplo: Ré Maior (D)

D, E, F#, G, A, B, C#.

Estas notas serão as “tônicas” (darão nome) aos nossos acordes.

Obs: Os acordes são formados por, pelo menos, 3 sons diferentes. 
  

Depois selecionaremos a terceira nota da escala, que neste caso é o F#, e a reescreveremos:
.
 Obs: Chamaremos estas notas de “terça” do acorde. 

Tônicas : D,   E,  F#, G,  A,   B, C#
                +   +    +    +    +    +  +
Terças:    F#, G,  A,   B,  C#, D, E

Agora vamos achar as “quintas” dos acordes. Para isso basta encontrarmos a quinta nota da escala, que neste caso é o Lá (A), e a reescrevermos.
                   
                         A, B, C#, D, E, F#, G.    

Sendo assim, chegamos às seguintes formações:

      

 Tônicas : D,   E,  F#,  G,  A,  B,  C#
                 +    +    +    +    +   +    +
Terças:     F#, G,  A,   B,  C#, D,  E
                 +    +   +     +    +    +   +
Quintas:    A,   B, C#,  D,  E,  F#, G.

Por fim, para determinarmos se um acorde é maior ou menor, devemos calcular a distância entre a Tônica e a Terça. Se a distância for de 2 tons, o acorde será Maior, se a distância for de 1 tom e ½, o acorde será Menor.  

Portanto:

D + F#+A = Ré Maior = D
E+G+B = Mi Menor = Em
F#+A+C# = Fá sustenido Menor = F#m
G+B+D = Sol Maior = G
A+C#+E = Lá Maior = A
B+D+F# = Si Menor = Bm
C#+E+G = Dó sustenido Menor com Quinta Diminuta = C#m5º

Obs:
·        O 7º acorde é menor com quinta diminuta porque é o único da escala que tem 1 tom e ½ entre a Tônica e a Terça, 1 tom e ½  entre a Terça e a Quinta;

·        As “regras” aqui descritas servem para qualquer tonalidade Maior ou Menor e a ordem em que você encontra as notas, no instrumento, não altera o acorde, apenas o inverte. Exemplo: G + B + D = G; G + D + B = G, D + B + G = G/B; D + G + B = G/D; B + D + G = G/B; B + G + D = G/B. 

·        Os acordes, de qualquer tom maior, seguem as regras deste exemplo, portanto, os acordes 1, 4 e 5 serão Maiores. Os acordes 2,3 e 6 serão Menores. O acorde 7, embora com quinta diminuta, normalmente é usado como menor. Para isso basta elevar em um semitom a sua quinta. No exemplo acima, o 7 acorde ficaria com a seguinte formação: C#+E+G# = Dó sustenido Menor. 


·        No caso de ter que tocar mais de três cordas, como no violão, ou teclas, deve-se duplicar qualquer/quaisquer nota(s) do acorde, para evitar que notas estranhas a ele, soem.
           
            Exemplo: G (posição aberta no violão) = G+B+D+G+D+G.



Formação de acordes na partitura:




terça-feira, 6 de dezembro de 2011

E a Partitura?


O Pentagrama

O Pentagrama nada mais é do que cinco linhas e quatro espaços onde as notas são grafadas. 

Obs: As linhas e os espaços são contados de baixo para cima.
       Observe que somente a presença das linhas não nos diz nada a respeito de que notas elas representam.


As Claves


As Claves têm a função de dar nome às linhas e, conseqüentemente, aos espaços.

A Clave de Sol

         A Clave de Sol, normalmente, é colocada no Pentagrama de forma que a segunda linha atravesse sua “região principal” e passe a representar a nota sol (mesmo nome da clave).


As Notas no Pentagrama com a Clave de Sol



Tons Relativos


São chamados “relativos”,  o Tom Maior e o Tom Menor que possuem os mesmos acordes (ignorando-se as exceções em cada um).

Exemplos:    

Para encontrar o tom relativo de um tom Maior basta identificar a 6ª nota, ou acorde, de sua escala.  

Tom          2         3           4            5             6          7
C
Dm
Em
F
G
Am
Bm5-

Assim, o tom relativo de Dó Maior é Lá Menor.

Am
Bm5-
C
Dm
Em
F
G

Para encontrar o tom relativo de um tom Menor, o processo é quase o mesmo, no entanto, devemos procurar a 3ª nota, ou acorde, de sua escala.

Tom          2        3           4            5             6          7
Dm
Em5-
F
Gm
Am
Bb
C

Assim, o tom relativo de Ré Menor é Fá Maior.

F
Gm
Am
Bb
C
Dm
Em5-

Tonalidade continuação


Mais dicas sobre a relação entre acordes:

·       Em um tom menor, utilizando a escala natural, todos os acordes são menores com exceção do 3º, 6º e 7º acordes que são Maiores;
·       O 2º acorde é Meio Diminuto mas normalmente é usado na forma Menor;
·       O 5º acorde é Menor mas, não raramente, pode aparecer na forma Maior.


Exemplos:
  
Tom       2º      3º        4º      5º        6º       7º
Am
Bm5-
C
Dm
Em
F
G
Bm
C#m5-
D
Em
F#m
G
A
C#m
D#m5-
E
F#m
G#m
A
B
Dm
Em5-
F
Gm
Am
Bb
C
Em
F#m5-
G
Am
Bm
C
D
F#m
G#m5-
A
Bm
C#m
D
E
G#m
A#m5-
B
C#m
D#m
E
F#